20170328

"The Marquis" - Uma HQ Infernal E Um Heroi Em Busca De Sua Santidade


Pois bem! 
"The Marquis" (ou se preferir, "O Marquês") é uma série de HQs independente do gênero ação / horror e um trabalho solo do desenhista / escritor Guy Davis, conhecido também por ser um dos colaboradores artísticos em algumas produções do cineastra espanhol Guilhermo Del Toro .

Ilustrador autodidata, Davis começou sua carreira artística em 1985. No seu curriculum,  ele trabalhou em títulos conceituados como "Baker Street", "Sandman: Teatro do Mistério", "Batman: Nevermore" (Elseworld), "Quarteto Fantástico: Moléculas Instáveis" e "Juiz Dredd: Fora da Lei", isso sem mencionar as HQs alternativas bem muito bem vistas na gringa, como por exemplo "The Zombies That Ate The World" e "B.P.R.D." (Bureau for Paranormal Research and Defense). 

#: Pequenas curiosidades...
*Este ultimo quadrinho citado serviu de base para a divisão governamental em que "Hellboy" fez parte nos seus live-actions. A diferença entre as películas e as HQs é que o "Garoto-Infernal" fez parte da organização durante os anos 50, enquanto os seus "pseudo side-kicks", "Abe Sapien" and "Liz Sherman" (ambos nos filmes também) atuaram como agente somente nos anos 80.

**Guy Davis é ganhador de 3 "Prêmios Eisner":
1997 - "Melhor História" pela saga "Sand And Stars", em "Starman" #20 à #23.
2004 - "Melhor Série" com "Moléculas Instáveis"  (Quarteto Fantástico)
2009 - "Melhor Artista / Criador" por "B.P.R.D."


Davis também trabalhou em ilustrações para de jogos de RPG como "White Wolf" e "TCM Underground". Apos 2011, Do artista investiu na sua carreira no cinema e "trampou"  com designs conceituais, contribuindo em storyboards para filmes, televisão e videogames. Ele trabalhou filme "phoderastico" do "Monsterverse" da Warner, Pacific Rim, projetando o Kaiju "Otachi" e "Slattern". Entre outros projetos de designer conceitual do cara com diretor del Toro, encontraremos "Crimson Peak", "The Strain" (a série de TV) e e a bizarramente magnifica abertura de "Os Simpsons" intitulada "Treehouse of Horror XXIV". Ele também esteve entre os responsáveis artísticos de títulos como "Steven Universe", "ParaNorman", "The Mill at Calder's End", "Pinóquio" (2012) e projetos de videogame como "Evolve" e "InSane".


A historia de "The Marquis" se passa em "Venisalle", uma "cidade fictícia" ambientada na França, em meados do século XVIII, e com uma sociedade sedimentada, dominada pela Igreja. Espreitando nas trevas desta cidade, vive o figura folclórica, "O Marquês", o caçador de demônios, reconhecido pela população e seus inimigos por sua mascara de carnaval e armas de fogo nada ortodoxas(uns trabucos em forma metralhadoras giratória) escondidas em sua longa capa de inverno. Entre a sociedade, sua identidade é um mistério. Quem se oculta por detrás da mascara é o Sr. Vol de Galle, "um velho" que passou a maior parte de sua sua vida como inquisidor de um ministério tirânico que governa a cidade, mas que agora esta "meio que aposentado". O sr. de Galle tem em seu conhecimento que vários seres nefastos escaparam do inferno e possuíram os habitantes locais de diversas classes sociais e cargos. Como ele alega ter a habilidade de enxergar a ocultação dos demônios na pessoas, o próprio se lança em uma missão divina de caçar e exterminar todas as criaturas que aos poucos se infiltram no sociedade, na intenção do dominar, manipular e destruir à todos que entrem em seu caminho.

Nas primeiras missões de De Galle, não fica claro para o leitor se ele realmente é o instrumento de algum plano divino, como ele afirma ser, ou apenas um maníaco homicida levado pelo fervor da sua fé. Isso pois Vol realmente acredita ser abençoado pelos santos padroeiros da sua cidade com o dom de ver todas as almas entre povo, e de certa forma avalia-las também. Ao longo da historia, podemos constatar que essas 2 afirmações são "simbióticas" na vida do personagem e sua caça contra "os inimigo de Deus e da humanidade" entra num ritmo cada vez mais surreal, para a alegria de quem ta lendo, é claro.



A primeira vez que "O Marquês" foi publicado ao mundo foi em 1997 pela editora "Caliber Comics" em uma "edição experimental" (por assim dizer), com o titulo como "Les Preludes" (Os Prelúdios). Em 2000, o autor seguiu com mais uma HQ do personagem intitulada "Danse Macabre" (Dança Macabra), porem desta vez publicada pela "Oni Comics". Estes dois volumes foram publicados em formatos diferente nos USA: o 1° em um "one-shot" e o 2°em uma minissérie de dois números (2002-2003) . O motivo de Davis não ter feito "tudo de uma vez" deve-se a histórias não acabadas do outro titulo que ele ja havia trabalhando fazia algum tempo pela "Dark Horse Comics", a aclamada "B.P.R.D." (ja citada nesse texto). 
Aliais ele trabalho neste titulo de 2003 à 2011.


Com a popularidade do titulo crescendo entre os consumidores mais fervoroso de quadrinhos, o Sr. Davis liberou a uns anos atras que seu plano em relação ao Marquis é finaliza-lo apos completar cinco volumes. O primeiro volume oficial do "herói", denominado"Inferno", é uma coletânea de tudo já produzido até o 2°, o "Danse Macabre". Como ja existe o 3° volume chamado "Intermezzo", Davis planeja liberar o resto de pouco à pouco em "graphic novels". A ultima saga no cronologia do personagem foi batizada de "The Marquis and the Midwife" (O Marquês e A Parteira), mas ela sera o 4° volume, ja que pro ultimo o escritor tem interesse de fazer historias prequels, até então sem titulo, para "embasar" as origens de Vol. 
Inclusive, todos esses títulos foram / serão fechados por contrato para serem publicados pela Dark Horse (ou pelo menos, até 2° ordem).


#: Mais uma curiosidade...
***Além das edições em inglês da "Dark Horse", existem as versões europeias. Mais especificamente as francesas e espanholas, que foram lançadas em coletâneas e em formatos de capa dura "deluxe", pelas editoras "Les Humanoïdes Associés" (FR)  e "Norma Editorial" (ES).



Concluindo:
Nas terras tupiniquins ainda não chegou o titulo, o que é uma pena. Espero que um dia algum editora busque essas HQs que são "legais pra dedéu". Até la, pra quem ta conhecimento em linguas, é só caçar "scans" pelas internets, que da pra achar o material. Mesmo que com uma certa dificuldade.
Este que vos escreve indica (fortemente) aos fãs e apreciadores de comics (e aos que curtem quadrinhos asiáticos do gênero tambem, como por exemplo "Priest" ou "Berserk") pra darem uma "fuçada" no titulo, pois o enredo e o nível técnico do projeto é realmente acima da média. O realizador do titulo esta deveras de parabéns. 

Inclusive, apos que "este que vos escreve" ter lido "O Marquês" (explicando que este não é o titulo oficial em "PtBr", caso alguem não tenha entendido ainda), eis que o próprio "epifaniou" o possível fato de Guy Davis ainda não ser um artista extramente conceituado entre o publico mais popular, devesse ao fato do cujo ainda trabalhar muito no cenário "indie" de revistas em quadrinhos e com títulos ainda bem "outsiders", pra não dizer "underground", pro leitor de ocasião.

De qualquer forma, essa HQ pode ser o "ponto de partida" para o publico alvo procurar mais e mais os projetos do Sr. Davis, e assim, aproveitando para aprofundar-se em outros tipos de quadrinho que se diferem das velhas constantes "Marvel ou DC", e com isso, tambem deixar de "pseudo conhecer" o artista apenas por "pseudos referencias" dos filmes do Ron Pearlman como o diabo vermelhão ou outros projetos aleatórios do Sr. del Toro em que o cara "só trabalhou em cima".
Enfim, é isso aê!


Nenhum comentário:

Postar um comentário